Profissionais de saúde estão mais expostos a problemas relacionados a ansiedade e depressão. Saiba identificar os sintomas da depressão

4 sintomas da depressão – Sente algum deles? Busque ajuda!

Os sintomas da depressão podem aparecer em qualquer fase da vida. No entanto, nem todo mundo consegue diferenciá-los no momento em que aparecem.

Isso porque principalmente com os profissionais da saúde que possuem uma rotina muito exaustiva, os sintomas podem se camuflar como estresse ou sobrecarga.

Outra coisa que pode acontecer quando esses sintomas aparecem é a negligência que os profissionais podem dar para eles, tratando de forma indiferente e não o tratando.

Lógico, ambas as atitudes geram danos. Se você deseja se informar melhor sobre este assunto, então continue lendo este conteúdo.

Leia também: Saúde Mental do Profissional: Porque se cuidar no dia a dia?

Quais são os principais sintomas da depressão em profissionais da saúde?

Os enfermeiros e médicos estão entre os profissionais que mais estão suscetíveis a sucumbirem aos problemas de saúde mental.

Isso porque prestam ajuda a diversos pacientes e lidam com a pressão e correria do dia a dia. Assim, com o passar do tempo, toda essa sobrecarga começa a aparecer e os primeiros sintomas a dar as caras.

Abaixo, separamos os principais sintomas que costumam se manifestar na vida do profissional para que você consiga saber quando é a hora de buscar ajuda.

1. Burnout

O burnout é uma síndrome conhecida por gerar o esgotamento profissional em um indivíduo. Portanto, basicamente ela é gerada por conta do cansaço físico e esgotamento emocional, junto com uma exaustão física e mental que diz respeito a ação laboral.

Geralmente, o profissional que apresenta o burnout possui falta de energia, fadiga crônica, esgotamento, despersonalização, distanciamento, desmotivação.

2. Síndrome do pânico

Esta síndrome é uma doença que se caracteriza por conta do acontecimento repentino de crises de ansiedade agudas que são marcadas pelo medo e o desespero.

O profissional que começa a ter a síndrome do pânico muda sua rotina com medo de que essas crises aconteçam. Sendo assim, acabam por ter um menor rendimento.

O medo em excesso gera uma série de problemas e pode levar o profissional a se isolar e abrir portas para outros distúrbios.

Sua aparição não tem uma razão específica, no entanto, sabe-se que a depressão e ansiedade geradas pelo estresse podem fazer com que ele apareça. Dentre as principais características, se encontram:

  • Elevação de batimentos cardíacos;
  • Palpitações;
  • Suor em excesso;
  • Tremedeira;
  • Tonturas;
  • Calafrios;
  • Formigamento.

Além desses, os sintomas psicológicos podem aparecer em diversos níveis. Os principais são:

  • Medo em excesso e sem motivo;
  • Perda de controle de pensamentos;
  • Sensação de estar fora do corpo;
  • Muito medo de morrer;
  • Sensação de esmago.

3. Angústia intensa

Além da depressão abrir as portas para o burnout e a síndrome do pânico, seus sinais sozinhos também atrapalham bastante a vida do profissional.

O problema é amplo e atinge cerca de 1 a cada 10 pessoas. Para que se possa determinar que um profissional está com depressão, ele deve ao menos, apresentar 5 sintomas do transtorno, que são:

  • Tristeza;
  • Desânimo;
  • Pensamentos negativos;
  • Perda de interesse em atividades que geram prazer;
  • Mudança no sono, apetite ou no peso;
  • Cansaço;
  • Falta de concentração.

Esses sintomas devem estar presentes pelo menos na maior parte do dia da pessoa por um longo período de tempo. 

Quando detectado, é fundamental procurar ajuda pois a depressão muito dificilmente se vence sozinha.

4. Dificuldade de se concentrar

Técnicos em enfermagem, médicos, enfermeiros e qualquer outro profissional que trabalhe em hospital ou clínicas de plantão sentem sinais de cansaço causados por conta da rotina.

Muitas horas exercendo a mesma atividade pode fazer com que o profissional fique muito sobrecarregado mentalmente. Sendo assim, uma das maiores dificuldades que podem acontecer é a de concentração.

Isso pode trazer várias consequências não só para o profissional, mas também para o paciente que está sob seus cuidados.

O que fazer quando identificar esses e outros sintomas diariamente?

Casos graves de disturbios mentais foram aflorados em profissionais da saúde durante a pandemia

No último ano os profissionais tiveram uma demanda muito alta de atuação por conta da pandemia do Covid-19. Vários casos de contaminação trouxeram a necessidade de cada vez mais profissionais atuarem em tempo integral nos hospitais.

Em uma pesquisa feita pelo Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino (IDOR) com 715 profissionais da saúde que trabalharam na unidade de terapia intensiva (UTI) por no mínimo 20 horas semanais mostrou que pelo menos 125 apresentavam sintomas de esgotamento.

O esgotamento abre espaço para vários outros sintomas. Se não for cuidado, pode fazer até mesmo com que o profissional seja suspenso de sua área de atuação.

Por mais que os profissionais da saúde entendam a importância de seu papel e queiram dar o seu máximo sempre, saber reconhecer até que ponto sua saúde mental aguenta é essencial.

Isso porque seu desempenho depende totalmente do quão disposto esse profissional se encontra. A partir do momento que seu desempenho cai por conta de não estar aguentando sua rotina, tudo acaba piorando. Nos primeiros indícios de um:

  • Esgotamento;
  • Tristeza;
  • Isolamento;
  • Indiferença;
  • Ansiedade.

Dentre tantos outros sintomas, um profissional da área de psicologia deve ser solicitado para acompanhar esse indivíduo.

Em casos muito extremos onde nem a terapia consegue aliviar esses sintomas, a necessidade de mudar o ambiente de trabalho acaba sendo vital para preservar essa pessoa.

Isso porque esses quadros geram uma sobrecarga não só no indivíduo como pessoa mas também refletem na equipe como um todo.

Existe algum fator de risco?

Bom, há, além dos fatos que existem dentro da profissão, outros fatores de risco por fora que acabam por intensificar esses acontecimentos, que são:

  • Histórico familiar;
  • Estresse crônico;
  • Ansiedade crônica;
  • Disfunções hormonais;
  • Excesso de peso;
  • Sedentarismo;
  • Vícios;
  • Traumas antigos;
  • Problemas cardíacos;
  • Problemas conjugais.

Conclusão

Por fim, vimos então ao longo deste conteúdo como os sintomas da depressão agem e quais outros problemas ela pode trazer na vida de quem a desenvolve.

Claramente, lidar com isso não é fácil e por isso que quando diagnosticado em profissionais da saúde, a equipe tem um papel vital no que diz respeito a apoio.

Muitas vezes os colegas de equipe ajudam o indivíduo a reconhecer seu problema, por isso manter o olhar apurado nesse sentido, é fundamental para prestar apoio.

Diga aqui nos comentários se você já sentiu algum desses sintomas. Além disso, compartilhe este conteúdo com mais pessoas.

 

Gostou? Compartilhe

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin
Share on telegram